ULTIMAS POSTAGENS

Estarão as Prisões Obsoletas? - Angela Davis

Foto de Keila Cristina

Olá queridos leitores!

A indicação de hoje é de um livro da maravilhosa Ângela Davis. Uma leitura extremamente necessária e atemporal que nos traz questionamentos muito válidos sobre assuntos complexos mas infelizmente ignorados pela maioria da população.

Gostei bastante da escrita da autora e dos temas abordados ao longo de cada página.Recomendo muito.

Mulher, negra e feminista, Ângela Davis é professora emérita da Universidade da Califórnia, filósofa e símbolo da luta pelos direitos civis, pelos direitos das mulheres e contra a discriminação social e racial nos Estados Unidos.

Título: Estarão as Prisões Obsoletas?
Autora: Angela Davis
Editora: Difel - Grupo Editoria Record
Ano: 2018
N° Páginas: 144
Classificação: 4.8

Sinopse: No país com a maior população carcerária do mundo, Angela Davis — estudiosa, ativista, referência dos movimentos negro e feminista — examina com seu olhar crítico o conceito de encarceramento como punição

Desde os anos 1980, a construção de prisões e a taxa de encarceramento nos Estados Unidos têm crescido exponencialmente, originando uma grade inquietação do público sobre a proliferação, privatização e a promessa de grandes lucros a partir do sistema carcerário. No entanto, essas prisões abrigam quantidades desproporcionais de minorias étnicas, deixando entrever o racismo entranhado no sistema.

Neste livro, a renomada ativista Angela Davis expõe com clareza a situação e nos pede uma reflexão radical, em busca de alternativas aos atuais programas de reabilitação. Com esta última grande abolição da vida norte-americana, pode-se finalmente começar a desmantelar essas estruturas que condenam tantos a uma vida de miséria e sofrimento. (Skoob)
Foto Keila Cristina

No livro “Estarão As Prisões Obsoletas?” Davis problematiza sistema prisional americano levantando várias questões importantes interligadas a estrutura de poder que se perpetua por gerações marginalizando a existência dos pobres e das minorias.

A autora chama a atenção para o fato de a maioria no sistema carcerário americano ser constituída por negros e latinos, o que a leva a concluir que a desigualdade, o racismo, a xenofobia entre outros problemas sociais estão intimamente associados à quantidade pessoas consideradas “criminosas” vivendo em encarceramento.

Ela defende a abolição das prisões trazendo como argumento alguns dados estatísticos e históricos que denunciam a exploração da mão de obra prisional por corporações privadas contestando a crença de que o aumento dos níveis de criminalidade era a principal causa do crescimento das populações carcerárias já que uma crescente onda de construções de prisões se deu numa época em que o índice de criminalidade estava em queda. O chamado “complexo-industrial-prisional” que é o uso da mão de obra barata dos encarcerados (que muitas vezes eram submetidos a jornadas de trabalho abusivas) em empresas privadas, para Ângela Davis nada mais é do que uma extensão da escravidão que continua abastecendo o capitalismo, uma vez que além desse fato ainda há a questão das punições extremamente severas (podemos até mesmo considerá-las desumanas na maioria dos casos) que ao longo da história foi aplicada como forma de “castigar” nos infratores.

Foto Keila Cristina

Outro ponto a ser destacado é a maneira como as mulheres são tratadas dentro desse sistema. Durante o século XVIII :

“mulheres consideradas refratárias ao domínio masculino pelo marido eram punidas com uma “mordaça”, espécie de aro que envolvia a cabeça com uma corrente presa a ele e uma haste de ferro que era introduzida na boca da mulher” (pag. 45)

a autora cita esse fato porque ele se assemelha as punições impostas aos escravos, desta forma podemos ver como as mulheres que não agiam segundo as cartilhas impostas às mulheres da sociedade da sua época estavam sempre sujeitas a serem consideradas como “infratoras” podendo assim ser submetidas à castigos corporais dentre outras atrocidades no mínimo absurdas.

O sistema prisional americano além de racista, segregador e xenofóbico é também um sistema extremamente machista por isso herdou essa maneira e misógina de tratar as mulheres. Abusos sexuais e estupros por parte de guardas e policiais são apenas algumas das barbáries as quais mulheres prisioneiras são submetidas nas cadeias. Segundo Davis:

“os números não fazem distinção entre a mulher que está presa por tráfico de drogas e o homem que está preso por matar a esposa, homem que pode, inclusive, passar menos tempo atrás das grades do que a mulher.”(pág. 100)

A autora finaliza o livro apresentando como contraproposta ao sistema prisional, programas sociais visando aumentar as oportunidades entre as populações mais carentes compostas em sua maioria por pretos e estrangeiros o que diminuiria a necessidade do individuo residente dessas localizações considerarem o mundo do crime como opção (é melhor prevenir do que remediar, não é mesmo?) e programas de ressocialização mais humanos afim de recuperar aqueles que já se embrenharam por esses caminhos.

“Estarão As Prisões Obsoletas?” é uma leitura muito válida que nos leva a refletir não apenas sobre a situação dos encarcerados, mas também sobre como ela é o reflexo dos problemas sociais enfrentados nos Estados Unidos e no mundo que ecoa até os dias de hoje os gritos da escravidão.

Espero que tenham curtido a resenha,

Beijos e até a próxima!! 

PS: Para conhecer mais da Keila siga nas redes sociais Instagram e WattPad




11 comentários:

  1. Oi
    Eu adorei a sugestao de livro,nao conheca o trabalho da autora é bem interessanre. Ja quero ler

    ResponderExcluir
  2. Parece ser uma leitura e tanto! Gostei de sua indicação. Uma leitura bem atemporal mesmo.

    ResponderExcluir
  3. O tema do livro é bem atual e tem sido debatido exaustivamente não só nos EUA mas em muitos paises inclusive o nosso.E acho que tem que ser mesmo assunto de discurssão porque faz tempo que o sistema prisional não tem cumprido com seu real objetivo. É uma questão complexa que certamente não terá uma solução rápida e só piora quando pensamos no racismo e na qustão da mulher nesses ambientes. Esse livro deve ser muito interessante já anotei para as próximas leituras,bjus.

    ResponderExcluir
  4. É um livro interessante e fala de um assunto polêmico, muito boa a indicação do livro!

    ResponderExcluir
  5. É tão importante avaliar e melhorar as condições da alegada reilitação que deve incluir restrições à liberdade, em decorrência de fraude à lei.


    Parece-me perfeito que o trabalho contribua para o debate a respeito. E também que coloco uma ênfase particular no racismo que dizem influenciar diretamente a etnia da população carcerária dos Estados Unidos, embora eu não ache que isso aconteça em todos os casos.

    ResponderExcluir
  6. Parece uma excelente leitura, muito a ser discutido sobre o assunto. Vai pra minha lista de livros pra ler, quero conhecer melhor sobre o tema.

    ResponderExcluir
  7. Oi minha linda! Não conhecia o livro, mas achei super interessante e válido paraa reflexão de que esse sistema carcerário deve ser mudado. Muitas questões tristes a serem resolvidas no mundo.

    Beijos,
    Paloma Viricio💫💙

    ResponderExcluir
  8. Ler um bom livro é sempre muito bom eu gostei muito da dica e concerteza irei procura este livro pra ler beijos..

    ResponderExcluir
  9. Eu sou suspeita pq li e amo! Sem dúvidas uma abordagem.sobbre o sistema carcerário magnífica! Amei o post

    ResponderExcluir
  10. Não conhecia a autora mais achei muito interessante sua indicação,vou ler com certeza

    ResponderExcluir
  11. Angela Davis lança uma bola de demolição Nas bases racistas e sexistas do sistema prisional americano . Seus argumentos são bem elaborados e contidos, levantando uma crítica inflexível de como e por que mais de 2 milhões de americanos estão atualmente atrás das grades e das corporações que lucram com seu sofrimento.

    ResponderExcluir

© Cultura Pocket - desde 2017 | Todos os direitos reservados.
Desenvolvimento por: Linezzer Design | Tecnologia do Blogger.
imagem-logo