ULTIMAS POSTAGENS

UMA APRENDIZAGEM OU O LIVRO DOS PRAZERES

Oi pockets!
Tudo bem com vocês?
Escrever sobre Clarice é muito difícil pra mim, ainda mais sobre meu livro favorito. Penso que não importa o que eu escreva nunca chegará aos pés da magnitude que é ler "Clarice Lispector". 
Conheci Clarice em 2009 com o seriado "Tudo o que é sólido pode derreter" e me apaixonei. Li todos os livros dela disponíveis na biblioteca da escola na época. Há uns 3 anos comprei "Uma aprendizagem ou o livro dos prazeres", título este que me trouxe para o mundo de Lispector. Ainda não tenho todos os livros e nem li todos, mas isso não muda minha paixão por essa mulher. No fim do mês passado decidi reler esse livro que tanto amo e pela primeira vez na vida vou tentar passar um pouco do que vejo nessa história para outras pessoas.
"Mas existe um grande, o maior obstáculo para eu ir adiante: eu mesma. Tenho sido a maior dificuldade no meu caminho. E com enorme esforço que consigo me sobrepor a mim mesma."



Título: Uma aprendizagem ou o livro dos prazeres
Autora: Clarice Lispector 
Editora: Rocco 
Ano: 2010 
Páginas: 159 
 
Sinopse: "Uma Aprendizagem ou O Livro dos Prazeres é um ponto de vista feminino a respeito da vida. Lóri, na verdade, é a personagem central, enquanto Ulisses ocupa um papel secundário, mero referencial para os pensamentos e atitudes de Lóri. O livro conta, acima de tudo, a viagem empreendida por Lóri em busca de si própria e do prazer sem culpa. Uma viagem na qual Ulisses funciona como um farol, indicando onde estão os perigos e o caminho correto para a aprendizagem do amor e da vida."


"Uma aprendizagem ou o livro dos prazeres" não é apenas um romance e nunca será apenas mais um livro. É uma obra para nos tirar desse marasmo que nos colocamos muitas vezes durante a vida.
De maneira única, Clarice começa a obra com uma vírgula e encerra com dois pontos. E só com isso já me fez refletir sobre a vida em si. Como muitas vezes decretamos nosso fim por acontecimentos que são apenas vírgulas em nossas histórias e não um ponto final.
Aqui vamos acompanhar Lóri (Loreley) em sua auto descoberta e aceitação. Como muitos de nós, ela tem medo de mergulhar no mistério que é viver e isso me cativa, pois quem nunca sentiu medo de viver algo?
Ulisses por sua vez é como uma âncora, um lugar firme e seguro para que Lóri consiga se descobrir e enxergar que precisa do amor próprio antes de alcançar o amor do outro.
Durante a jornada de Lóri refleti muitas vezes sobre a minha própria vida, meus anseios que deixo de conquistar ou apenas tentar por causa do medo. Medo de dar errado, medo de dar certo, medo do que meus pais vão pensar, medo do que meus avós vão falar, medo de estar sonhando alto demais... São tantos medos que percorrem a mente que muitas vezes me travam por isso entendi e me identifiquei com os receios da Lóri. 
Conforme as páginas vão passando e Lóri finalmente vai descobrindo a verdadeira Loreley nós também vamos descobrindo um pouquinho mais de nós.

Ver a descoberta da vida e do amor em Lóri foi algo tão magnífico que vou deixar um pouco da grandiosidade dessa obra com os quotes a seguir:

"Então o que chamava de morte a atraía tanto que só poderia chamar de valoroso o modo como, por solidariedade e pena dos outros, ainda estava presa ao que chamava de vida."

"Então com ternura aceitou estar no mistério de ser viva."
"Lóri achava que se ela fosse ela, os conhecidos não a cumprimentariam na rua porque até sua fisionomia teria mudado. "Se eu fosse eu" parecia representar o maior perigo de viver, parecia a entrada nova no desconhecido."

"Então o que chamava de morte a atraía tanto que só poderia chamar de valoroso o modo como, por solidariedade e pena dos outros, ainda estava presa ao que chamava de vida."


"Parecia-lhe então, meditativa, que não havia homem ou mulher que por acaso não se tivesse olhado ao espelho e não se surpreendesse consigo próprio. Por uma fração de segundo a pessoa se via como um objeto a ser olhado, o que poderiam chamar de narcisismo mas, já influenciada por Ulisses, ela chamaria de: gosto de ser. Encontrar na figura exterior os ecos da figura interna: ah, então é verdade que eu não imaginei: eu existo."

"De novo descobria que precisava de Ulisses, o que a desesperava - queria poder continuar a vê-lo, mas sem precisar tão violentamente dele."

"Já tentara se pôr a par do mundo e tornara-se apenas engraçado: uma das pernas sempre curta demais. (O paradoxo é que deveria aceitar de bom grado essa condição de manca, porque também isto fazia parte de sua condição). (Só quando queria andar certo com o mundo é que se estraçalhava e se espantava)."

"Mas existe um grande, o maior obstáculo para eu ir adiante: eu mesma. Tenho sido a maior dificuldade no meu caminho. E com enorme esforço que consigo me sobrepor a mim mesma."

"A tragédia de viver existe sim e nós a sentimos. Mas isso não impede que tenhamos uma profunda aproximação da alegria com essa mesma vida.

"Amor será dar de presente um ao outro a própria solidão? Pois é a coisa mais última que se pode dar de si."

"Ulisses, não encontro uma resposta quando me pergunto quem sou eu. Um pouco de mim eu sei: sou aquela que tem a própria vida e também a tua, eu bebo a tua vida. Mas isso não responde quem eu sou!"

Quero encerrar essa indicação e esses quotes maravilhosos com a oração que Lóri faz:

"Ajoelhou-se trêmula junto da cama pois era assim que se rezava e disse baixo, severo, triste, gaguejando sua prece com um pouco de pudor: alivia a minha alma, faze com que eu sinta que Tua mão está dada à minha, faze com que eu sinta que a morte não existe porque na verdade já estamos na eternidade, faze com que eu sinta que amar é não morrer, que a entrega de si mesmo não significa a morte, faze com que eu sinta uma alegria modesta e diária, faze com que eu não Te indague demais, porque a resposta seria tão misteriosa quanto a pergunta, faze com que me lembre de que também não há explicação porque um filho quer o beijo de sua mãe e no entanto ele quer e no entanto o beijo é perfeito, faze com que eu receba o mundo sem receio, pois para esse mundo incompreensível eu fui criada e eu mesma também incompreensível, então é que há uma conexão entre esse mistério do mundo e o nosso, mas essa conexão não é clara para nós enquanto quisermos entendê-la, abençoa me para que eu viva com alegria o pão que eu como, o sono que durmo, faze com que eu tenha caridade por mim mesma pois senão não poderei sentir que Deus me amou, faze com que eu perca o pudor de desejar que na hora de minha morte haja uma mão humana amada para apertar a minha, amém."

Espero que gostem.
Beijos,



Nenhum comentário:

Postar um comentário

© Cultura Pocket - desde 2017 | Todos os direitos reservados.
Desenvolvimento por: Linezzer Design | Tecnologia do Blogger.
imagem-logo