ULTIMAS POSTAGENS

RESENHA: Os dois mundos de Isabel



Olá pockets!!! 

A resenha da vez é de uma história inspiradora de Isabel Salomão, filha de imigrantes do Líbano que vieram para o Brasil após a primeira guerra tentar a sorte. Desde pequena teve que dividir o mundo real e difícil da década de 1930 com seu mundo particular espiritual, pois aos 9 anos de idade, ela começou a ver coisas que não compreendia e mal sabia ela que essas visões definiriam seu futuro e a maravilhosa trajetória de sua vida em ajudar e acolher pessoas.

Sinopse: Nascida no interior de Minas Gerais, em 1924, Isabel Salomão de Campos é da primeira geração de brasileiros de uma família de imigrantes libaneses. Criada no sertão mineiro, em uma fazenda, a menina mostrou ser diferente desde pequena. Aos 9 anos via e ouvia coisas que não conseguia explicar, benzia pessoas sem acesso a remédios e a cuidados médicos, e, aos 14, conseguiu sozinha a autorização do prefeito de sua cidade para criar uma escola para os filhos dos colonos. A professora seria ela própria. Quando descobriu que as tais “coisas” que via desde a infância eram espíritos se comunicando com ela, Isabel deu início a um longo processo de aprendizado no espiritismo, sendo a primeira mulher a erguer publicamente sua voz para falar deste mundo invisível. Sua vida foi marcada pela luta contra o preconceito religioso e contra a invisibilidade imposta às mulheres. Obstinada, ela criou outras duas escolas, retirou mais de 500 crianças das ruas ao longo de toda a vida e construiu uma rede de solidariedade que atende famílias em situação de vulnerabilidade social em mais de 40 bairros de Juiz de Fora, cidade onde Isabel ainda mora e onde fundou a Casa do Caminho, um centro não só para celebração da sua fé́, mas de acolhimento. Daniela Arbex remonta a história de Isabel e de muitos dos que foram influenciados por seu trabalho. Entre relatos de fé, cura e conforto espiritual ou de simples admiração por uma vida inteira dedicada ao outro, Os dois mundos de Isabel é uma biografia que dialoga com muitas histórias brasileiras. Com prefácio de Caco Barcellos, o livro é, sobretudo, uma narrativa de coragem. Em tempos de violência e intolerância, falar sobre uma mulher que lutou com a única arma que tinha — o amor — é, no mínimo, revolucionário.
Os dois mundos de Isabel de Daniela Arbex, é um livro inspirador, narra a história de vida de Isabel Salomão, a partir da sua experiência com a religião espírita, e toda a saga que ela vivenciou em solidificar a prática espírita no Brasil (que na época dela era totalmente discriminada, já que 98% dos brasileiros se declaravam católicos) junto com sua personalidade forte em praticar a justiça e a caridade, alicerces fundamentais do Espiritismo.

Apesar de ser teoricamente um livro biográfico, a narrativa de Daniela Arbex, faz parecer que estamos lendo um romance, pois na primeira parte do livro, ela intercala os eventos históricos da vida de Isabel, não os desenvolve em ordem cronológica, no início do livro, por exemplo, já nos deparamos com ela trabalhando na escola de laticínios Cândido Torres aos 21 anos, sendo reconhecida como uma mulher muito prestativa e inteligente, até para os padrões da época, pois ela mesmo tendo só terminado o primário, o seu nível cultural era bastante elevado – descobriremos o motivo mais a frente em uma de suas primeiras revoluções na cidade onde nasceu-. É neste momento da narrativa que ela vai perceber que é diferente das pessoas, visto que tem um senso elevado de “percepção” dos acontecimentos e das pessoas à sua volta, isto após dois jovens quebrarem um equipamento caríssimo na escola e esconderem o fato de todos, depois que um professor descobre o acidente e acaba acusando um aluno injustamente de ter quebrado, Isabel prontamente (e sem “explicação” alguma) vai diretamente aos dois alunos que cometeram o acidente fazendo eles confessarem, e após a chamada repentina de Isabel, os dois garotos se questionam como ela descobriu (um acusa o outro de não ter guardado segredo para a professora rs),após o ocorrido ela entra em choque, e decide ir atrás para descobrir o motivo dessas “coisas” que acontecem com ela. Com a ajuda de seu mentor na escola, ela acaba descobrindo sua mediunidade e o início da sua trajetória na então recente religião Espírita brasileira, na qual vai ter um papel fundamental - é a pioneira-  para estabelecer o Espiritismo em Juiz de fora, onde vive até hoje.


Isabel Salomão na época da Escola Cândido Torres e atualmente.


S
equencialmente a essa narrativa, a história volta para infância de Isabel, onde conhecemos sua família, e a luta que eles tiveram para sair do Líbano em meio a guerra para se estabelecer no Brasil, seus pais, Chaíde e Nagib Shalom – que passou a ser Salomão-, adquirem uma fazenda no sertão mineiro e tocam a vida. Neste momento vemos a  difícil situação que Isabel passava para lidar com os estudos e ajudar os pais, pois naquela época, por volta de 1935, existiam poucas escolas, e estas eram distantes da fazenda, ainda assim, ela não só conseguiu terminar os estudos como vivenciou um dos grandes momentos que o livro vai nos mostrar: Com apenas 14 anos, ela sentia vontade de todos que moravam aos arredores, tivessem acesso à escola, então decidiu por conta própria, dar aulas pra eles, chegando inclusive a desafiar o Prefeito da cidade, foi pessoalmente no gabinete dele e se comprometeu em ter no mínimo uma sala com 35 alunos matriculados, o prefeito  abismado com a garra da pequena Isabel, prometeu que se ela conseguisse tal feito, iria nomeá-la professora do município. No fim, ela conseguiu montar no quarto da fazenda uma sala de aula com 45 alunos frequentes, demonstrando a grande sensibilidade em querer ajudar as pessoas. É neste episódio que descobrimos que sua mediunidade começava a florescer, tendo início nos seus 9 anos, ela vira e mexe escutava ou via pessoas estranhas, seja em seu quarto ou no caminho de volta da escola, ela relata essas visões para seus pais, mas ambos não acreditam e acham que se trata apenas de “coisas de criança”.

Mesmo com o sucesso da escola que criou, o ponto de mudança, tanto da narrativa do livro quanto da história de Isabel, se dá quando seus irmãos se mudam para a Capital e ela, após grande relutância, também decide ir, é a partir desse deslocamento, que vemos como ela consegue o emprego na Escola Cândido Torres e entra em contato com o Espiritismo, onde ela encontra as respostas para suas visões. Ela conhece uma casa espírita na vizinhança- indicada pelo seu mentor da escola- e lá na casa, descobre que tem um grande poder mediúnico, as visões que tinha desde criança eram de espíritos superiores que estavam a guiando, inclusive, nesta parte eu fiquei abismado -mesmo sendo cético para essas coisas kkkk-  que uma das pessoas que ela via, estava pintado no quadro dentro da Casa Espírita (o médium Doutor Freitas) e então, ela percebeu que estava destinada a ajudar as pessoas e entrou de vez para o Espiritismo - era católica até então-, se tornando logo mais a frente, a líder deste centro espírita, pois sua presença ali atraía milhares de pessoas.

Do estabelecimento de Isabel como praticante do espiritismo, o livro vai abordando suas conquistas pessoais, seu namoro (que também é envolto nestes mistérios da religião, pois ela sem conhecer seu então futuro marido Ramiro Monteiro, quando o vê pela primeira vez, ainda na escola Candido Torres, afirma para sua colega que irá se casar com ele, eita rsrs) como também no cenário da religião, com a criação do seu próprio centro espírita “Casa do caminho” em 1981, onde recebeu a visita do ilustre Chico Xavier – até então, a referência da religião no Brasil-, e o anexo do centro que transformou em uma escola e abrigo para crianças em situação de risco, essa parte é emocionante, ao passo que mais uma vez somos apresentados à força de caridade de Isabel; pois mesmo com a realidade brasileira ausente de leis para a solução do problema das crianças em situação de risco – lembrem-se que o Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA) só vai ser realidade em 1993- , ela em pleno início da década de 1980, inaugura a instituição “Lar do caminho” que apenas com trabalho voluntário, vai ajudar mais de 500 crianças.

Isabel e as crianças da primeira turma do Lar do caminho
O livro neste momento, inicia o recorte de várias histórias de crianças que passaram pela instituição, alternando os capítulos com história de vida das pessoas que acabaram entrando em contato com Isabel, por intermédio de conhecidos ou por sua fama já conhecida na cidade, e são tantas histórias ricas e maravilhosas que fica difícil falar de uma e não querer mencionar as demais, e como o texto já está ficando enorme (eu não achava que ia dar tanto assim kkkk) prefiro que vocês entrem em contato com elas direto no livro. O que deixo para finalizar a resenha é a frase de Sócrates: “Só sei que nada sei”, embora tenha uma visão bem realista sobre essas manifestações religiosas, principalmente devido minha formação acadêmica na área, eu vou na mesma direção de um médico que conhece Isabel, e no livro, descreve como ela – “do nada”- consegue curar uma enfermidade de uma jovem, ele, ao relatar a experiência, apenas afirma: Eu não acredito, mas também não desacredito, vou na mesma, achei coerente kkkkk. A história de Isabel merece ser conhecida, pois, mesmo que você não compartilhe da mesma crença, ou até mesmo , não acredite em religiões ou coisas sobrenaturais, a bondade, força de vontade, e a prática da caridade foram reais, e o que ela construiu no decorrer do livro é a prova nítida da existência delas. Vocês podem conhecer ela pelo livro, mas também pelo Youtube (ela é imbatível não é?) com o seu canal de mesmo nome da sua instituição que já conta com mais de 100 mil seguidores, o qual ela, nos seus 95 anos, segue na divulgação tanto de sua crença quanto da sua força em ajudar o próximo, até mais!!!!


A maior influencer de Juiz de fora é ela!!!! 






2 comentários:

  1. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  2. Eu fiquei interessada na história desde a primeira vez que vi uma publicação da editora, falei dele pra você e acabastes lendo antes de mim...hahaha...já o conheço antes da leitura, mas quero ver de perto as experiências inexplicáveis desta mulher!!! Fico curiosa pelas pessoas que não acreditam em nada e ver a reação delas com as histórias da Isabel. Com certeza vou ler!!!

    ResponderExcluir

© Cultura Pocket - desde 2017 | Todos os direitos reservados.
Desenvolvimento por: Linezzer Design | Tecnologia do Blogger.
imagem-logo