ULTIMAS POSTAGENS

AMIGO IMAGINÁRIO - STEPHEN CHBOSKY


Oi Pockets!!!

Eu sei que o Halloween já passou mas como está foi a minha principal leitura de Outubro e tem muito deste clima, vamos conhecer um pouco deste livro que eu super me empolguei.

Título: Amigo Imaginário
Autor: Stephen Chbosky
Editora: Record
Ano: 2020
Nº de páginas: 864
Classificação: 5/5

Sinopse: Kate Reese está fugindo. Determinada a buscar uma vida melhor para ela e para o filho Christopher, ela abandona um relacionamento abusivo e escapa no meio da noite junto com seu garotinho. Eles acabam se sentindo atraídos pela agradável comunidade de Mill Grove, na Pensilvânia, uma cidadezinha distante de tudo e de todos, com apenas uma estrada de acesso.
A princípio, Mill Grove parece o lugar perfeito para eles se estabelecerem. Porém, Christopher desaparece por seis longos dias sem deixar nenhum rastro. O desespero toma conta de Kate, e a polícia da cidade faz buscas incansáveis para descobrir o paradeiro do menino. Até que ele surge no meio da noite saindo de um bosque nos limites da cidade. Ileso, mas mudado. Christopher volta com uma voz na cabeça que apenas ele pode ouvir e com uma missão que apenas ele pode cumprir: construir uma casa na árvore no bosque da Mission Street antes do Natal; caso contrário, sua mãe e todos na cidade sofrerão as consequências.
Vinte anos depois de As vantagens de ser invisível fazer com que leitores do mundo inteiro se sentissem infinitos, Stephen Chbosky volta com uma obra épica de horror, cujas escala e emoções que carrega redefinem o gênero. Leia com as luzes acesas. (Skoob)


Resenha: Sabe um livro que te envolve tanto que quando termina você nem sabe por onde começar mas gostaria que todos lessem para que pudessem conversar sobre ele?
Então vamos lá conhecer um pouquinho mais e conversar sobre ele.
Logo no inicio da história temos uma criança em fuga pela cidade, não sabemos se trata-se de um surto ou se aquilo está realmente acontecendo. Temos então um salto de 50 anos e agora temos uma nova fuga, desta vez acompanhamos uma mulher e seu filho fugindo de um relacionamento abusivo que está colocando ambos em perigo. 
"Quantos primeiros encontros ela teve desde que o marido morreu (...) Na verdade, ela estava oferecendo ao próximo filho da mãe uma trilha de migalhas de pão que indicava  quanta merda ela estava disposta a aturar em troca de algo que o sofrimento a convencia de que era amor"
Christopher Reese é uma criança de 7,5 anos com uma bagagem emocional muito forte, foi ele quem encontrou o pai morto após o suicídio, ele se sente responsável pela segurança e felicidade da mãe. E mesmo que a principio Kate Reese pareça irresponsável com seu histórico de relacionamentos ruins, vamos perceber que ela é uma mulher forte e batalhadora disposta a tudo para proteger seu filho.

Os dois acabam chegando a cidade de Mill Grove na Pensilvânia, um lugar bem escondido e totalmente fora da rota de seu ex-namorado Jerry de quem ela fugiu. Assim que chega ela começa a procurar um trabalho, mas a vida deles nesta nova cidade não é fácil. O único trabalho que ela consegue é no lar de idosos Shady Pines coordenado pela Sra Collins, que por sinal é a mãe de uma das internas que sofre de Alzheimer, e que faz questão de ser insuportável com todos. Na escola Christopher também está tendo problemas, ele sofre com ataques de Bullying de duas crianças Brady Collins e Jenny Hertzog, por outro lado ele consegue três novos amigos que serão vitais no desenvolver da história  e que foram apelidados cruelmente de Eddie (Ed Especial), e os gêmeos Matt (Papagaio de Pirata)  e Mike (Mike duas mães). Mas a reviravolta na história acontece quando um dia, enquanto aguarda a mãe buscá-lo na escola, ele se sente atraído, quase como um chamado para que ele entre no bosque Mission Street e o garotinho acaba sumindo neste bosque. 
Seis dias depois ele é encontrado, quase a meia noite por uma jovem que retornava do cinema com seu namorado, do outro lado do bosque. Desidratado, fraco, mas sem marcas aparentes de violência ou abuso, mas o mais estranho é que ele não se lembra de nada dos últimos 6 dias.

Este por si só já seria um ponto assustador, pois em uma pesquisa rápida descobri que no "Brasil são registrados, em média, 50 mil casos de desaparecimentos de crianças e adolescentes por ano. Estima-se ainda que quase 250 mil estejam desaparecidos no país. Ainda que a maioria dos desaparecimentos seja solucionada nas primeiras 48 horas, existe um percentual de 15% a 20% de crianças e adolescentes que não são encontrados por longo período de tempo." (Fonte: Agência Senado)

Neste ponto da história todo o clima da trama muda drasticamente, sentimos que o menino que sai do bosque mudou muito, ele antes era considerado uma criança com dificuldades na escola tem uma melhora assombrosa, sabe todas as respostas mas, junto com "poderes sempre vem responsabilidade", ele agora sente dores terríveis de cabeça. Quanto mais "esperto" e sensitivo a dor no mundo real ele fica maior e o preço que ele paga e mais doente percebemos que ele fica. E vai ser este poder que ajudará Christopher e sua mãe a ganharem um prêmio na loteria e realizarem o sonho de terem uma casa.
"Eu não posso te contar, mas posso te mostrar, só não esquece...
a gente pode engolir o medo ou deixar que o medo engula a gente"
E deste ponto percebemos que agora estamos em uma historia de terror!
O autor consegue criar um universo paralelo e explicar quais os gatilhos nos faram chegar neste mundo, o sentimento de tensão da historia te mantém preso a leitura de uma forma que você não consegue largar o livro. 
"Existem quatro entradas. Três saídas. Você já conhece duas. A gente conhece mais. Ela tem a chave. Mas cadê a porta?"
Eu que gosto deste tipo de história, percebi vários elementos como vemos por exemplo no livro do autor Stephen King - It - a Coisa, o clima e o mal que envolve toda a cidade afeta diretamente a  forma como cada morador age e uma jovem religiosa e uma tanto obcecada com a religião e reprimida pela família que é impossível não associar a Carrie, a estranha. Muitas cenas da história eu me senti vendo uma episódio de Stranger Things com seu mundo invertido e por vezes o próprio Christopher nos lembra a Eleven do seriado, temos até um  elemento relacionado a uma chave que me fez lembrar Coraline do Neil Gaiman. E ainda temos uma questão relacionada a um horário (02:17) que lembra o livro/filme Sete minutos depois da meia-noite. Aqui é claro que se trata da minha percepção nada disso fica claro na história, se tratarem de referências.


Outro ponto que percebemos é que a construção da história  faz sentido, aquele acontecimento narrado no inicio do livro está diretamente ligado aos acontecimentos atuais, percebemos como as doenças mentais, aqui, são tratadas como um elemento capaz de abrir sua percepção par um mundo que com o olhar racional você não seria capaz de perceber.

A porta que o leva do mundo real para o imaginário, a relação entre os acontecimento do real e do imaginário,  o bem e o mal e um elemento que te deixa arrepiado, as "Pessoas caixa de correio" vão te dar aquele medo a mais.
"Uma pessoa caixa de correio o segurava. Ziperes largos mantinham seus olhos fechados, mas os pontos pretos na boca estavam frouxos o suficiente para permitir que ela soasse o alarme."
 E mesmo não sendo um livro curto, juro para vocês, cheguei as últimas páginas querendo mais. Talvez esta seja uma dos melhores livros que li no ano de 2020. Como já foi mencionado na internet que o livro pode ser adaptado, fico imaginando como será este filme, espero que o autor participe da produção para que não se perca o clima que foi criado no livro.

Como não curto spoiler não vou contar mais, mas espero que a resenha tenha te instigado  a ler esta obra.


Agora me conta aí, qual o melhor livro que você leu até agora em 2020?
Leu algum de terror para celebrar o Halloween?
Vamos conversar um pouco mais.
Beijos e até a próxima.








Nenhum comentário:

Postar um comentário

© Cultura Pocket - desde 2017 | Todos os direitos reservados.
Desenvolvimento por: Linezzer Design | Tecnologia do Blogger.
imagem-logo