ULTIMAS POSTAGENS

DICA DE ANIME: NO GAME, NO LIFE


O mundo dos animes é um portal para o inimaginável.

Uma viagem entre universos reais e outros repletos de fantasia. Eu sou apaixonada por esses animes, fico numa tempestade de emoções a cada episódio. Tem anime para chorar, outro para gargalhar e outros para pensar estrategicamente.

E é nesse último tipo que está a nossa dica de hoje: No Game, No Life.


Estilo do Anime: Série.
Gênero: Aventura, Comédia, Ecchi, Fantasia, Sobrenatural
Autor: Yū Kamiya
Direção: Atsuko Ishizuka
Estúdio: Madhouse
Tipo de Episódio: Legendado
Episódios: 12
Ovas: 6
Filmes: 1
Status do Anime: Completo
Ano: 2014
Sinopse: A história se passa ao redor de Sora e Shiro, irmãos cuja reputação como NEETs brilhantes, gamers reclusos, espalhou várias lendas urbanas pela internet, Esses dois gamers até mesmo consideram o mundo real como um "jogo com péssimos gráficos". Certo dia, eles são evocados por um garoto chamado "Deus" ou “Tet” para um mundo alternativo. Lá, Deus proibiu a guerra e declarou este um mundo onde "tudo é decidido com jogos", até fronteiras de países. A humanidade foi conduzida de volta à única cidade restante pelas outras raças. Sora e Shiro, os irmãos inúteis se tornarão os "Salvadores da Humanidade" neste mundo alternativo? "Que os jogos comecem!"
“Esse mundo [Terra]... é um jogo ruim.” (Kuuhaku)
E aqui começamos nossa aventura. Antes de tudo gostaria de afirmar que No Game, No Life é um dos animes mais estrategistas e impressionantes, visual e enredo, que já vi. Lançado em 2014 pelo Estúdio Madhouse, responsável por “Sakura Cardcaptor” e o filme presente no catálogo da Netflix "A garota que conquistou o mundo", fez grande sucesso na época com média geral de 8,85 (Banco de Séries) e 8,28 (The Anime List). Encantou milhares de Otakus pelo mundo que aguardam até hoje uma segunda temporada que, com certeza, seria ainda melhor que a primeira em questão de enredo. Em julho de 2017 foi lançado o filme Zero, um prequel do anime que explica o que aconteceu antes de Sora e Shiro conhecer Disboard, o mundo dos jogos. Boatos dizem que uma segunda temporada está em produção [torço que sim \o/].

Voltando ao No Game, No Life. O anime começa nos apresentando 2 irmãos, Sora e Shiro, que juntos formam Kuuhaku, um personagem imbatível em todos os jogos da internet, uma lenda urbana terráquea. E como sabemos que tudo nesse anime tem uma explicação, começamos então pelo nome Kuuhaku: O símbolo para Sora (que significa “céu”) é , e o para Shiro (que significa “branco”) é . Já para formar “espaço em branco” ou “espaço vazio” é a união dos dois, 空白. Isso basicamente define Kuuhaku: a união de Sora e Shiro.


Pelas suas habilidades extraordinárias, a um nível de gênios com QI altíssimo, chamam a atenção de Tet, o Deus de Disboard, que não perde tempo e os joga (literalmente) no mundo de jogos, onde tudo é decidido a base de uma boa jogatina de qualquer tipo, contando com 10 regras que explicam tudo o que pode e não pode no mundo, ou seja, um playground para essa dupla de irmãos.

Disboard tem 16 raças no planeta, uma delas é a Imanity = a raça humana, que está em extrema desvantagem e perdeu muito território por não possuir nenhuma mágica ou dom para os jogos. Porém isso irá mudar com as chegada de Kuuhaku. Assim que chegam já participam de vários jogos e trazem um olhar diferente para os jogadores de Elkia, o reino dos humanos, principalmente que regras existem, mas nem tudo é no preto e no branco, dependendo da forma que você consegue interpretar cada regra o jogo pode mudar completamente, e temos uma demonstração maravilhosa com um jogo de xadrez vivo (super lembrei de Harry Potter aqui) e Sora consegue enxergar como ganhar o jogo ao seu modo e sem quebras as regras. Não vou falar mais para não dar spoiler, mas é fantástico. Ahh e sempre quando vão iniciar um jogo usam a palavra Aschente (juro pelas regras).


Um fato bem interessante é o fato do anime ser extremamente colorido, um dos primeiros que assisto que abusa das cores, porém de forma harmônica, mudando a intensidade de acordo com a tensão das cenas ou usando cores mais alegres quando os personagens se divertem jogando.

Assim como a maioria dos animes, por trás das histórias temos algumas lições de vida e cutucadas na sociedade. Esse não poderia ser diferente. Kuuhaku vive dentro de casa 24 horas, sem contato com a sociedade, não confunda com hikikomori (pessoas que vivem isolados por anos sem sair de casa), eles são NEET’s (sigla para a expressão em inglês "not in education, employment, or training", algo como "fora da educação, emprego e formação profissional"). Eles detestam a sociedade e os humanos em si, pois os humanos vivem suas vidas na rotina do dia e esquecem de viver de verdade, procuram a resposta mais fácil para tudo, não se desafiam e não se aventuram a aprendem coisas novas, ter novos conhecimentos, apenas vivem até morrer. Para Kuuhaku isso é morrer antes da morte.

Mas não se enganem, eles não detestam a humanidade. A humanidade tem seus erros, mas é a empatia e a força de vontade do humano e, acima de tudo, a persistência que nos fazem únicos e é nisso que eles acreditam. Não acreditam na humanidade em si, acreditam nas possibilidades da humanidade, nos pontos fora da curva, nas pessoas que se destacam e preferem viver de forma diferente a se entregar num mundo capitalista e que te faz vegetar vivo. Isso não é viver.


Precisamos de alegria na vida, não apenas responsabilidades. E não ache que eles fogem de responsabilidades, eles conseguem reinar perfeitamente e cuidar de políticas de um reino de forma majestosa. É isso que o anime tenta passar, não é porque eles não se encaixam nessa nossa forma de sociedade cheia de preocupações e estresses diários que eles não inúteis. Eles são incríveis, mas não gastam sua vida sofrendo com as dores de viver num mundo que valoriza mais o dinheiro que a vida.

E aí está nossa crítica direta a sociedade mundial. Qual foi a última vez que você parou para viver? Para respirar ar puro? Para se divertir? Para aproveitar o momento sem preocupações da vida real?
Não acredito na humanidade, acredito nas 
possibilidades da humanidade.
Vivemos soterrados de problemas e preocupações e tarefas infindáveis e esquecemos como era bom viver como criança, quando você brincava nada mais importava, sua atenção total estava ali. Sinto falta disso, de apenas relaxar e aproveitar cada minuto do meu dia sorrindo, sem pensar que amanhã tudo volta ao normal. Limpar a mente totalmente e focar no hoje.

No game, No life é um jogo de estratégia política e táticas de guerra baseadas em conquista através de jogos, ele te faz focar em cada jogo pois alguns apostam terras, dinheiro e até a vida, já que todo conflito nesse mundo é resolvido através de jogos. Kuuhaku traz a vontade de sorrir, a diversão para cada jogo e prova para todos que jogos são divertidos e podem te fazer sorrir de verdade.

Não adianta conquistar e usar a força para que todos abaixem a cabeça. O mundo é um jogo e jogos são divertidos e feito em conjunto. Então vamos nos divertir e jogar juntos! 



By Priscila Araújo - @infinitoliterarioo.



Nenhum comentário:

Postar um comentário

© Cultura Pocket - desde 2017 | Todos os direitos reservados.
Desenvolvimento por: Linezzer Design | Tecnologia do Blogger.
imagem-logo