ULTIMAS POSTAGENS

Diácono King Kong - James McBride


Oi pockets!!!

Hoje é dia de trazer a resenha de um livro da nossa parceira Astral Cultural. Desde a divulgação da sinopse pela editora eu fiquei com muita vontade de ler ele. Primeiro porque eu tenho um projeto pessoal de ler autores negros nas minhas metas mensais de leitura, segundo porque a sinopse do livro e as recomendações, (um dos 10 melhores livros de 2020 segundo o The New York Times, escolhido para o Oprah's Book Club), recomendações de peso né?

Então vamos conhecer um pouco da obra:


Resenha: A historia se inicia com uma situação bem inusitada quando o Diácono Cuffy Lambkim de uma igreja local cruza a praça do Projeto Habitacional Causeway, no Brooklyn, e atira a queima roupa em Deems Clemens, um jovem da comunidade que tinha grande talento para no basebol e atualmente e um traficante no habitacional. O curioso é que logo após o disparo o diácono o salva de se engasgar e sai do lugar da mesma forma que entrou e sem se lembrar de ter atirado em Deems.

Muitas historias e muitas vidas serão a partir deste momento influenciadas por estes eventos que vão desencadear varias mudanças e descobertas. 

Cuffy Lambkim, Paletó como é conhecido no habitacional, está constantemente bêbado, e depois da trágica morte de sua esposa Hettie, encontrada morta nas docas de Thomas Elefante, o Elefante como é conhecido, um contrabandista italiano que herdou os negócios do pai.
Muitas história vão sendo contadas paralelas a este evento, temos os Italiano, antigos donos da região, os traficantes que estão cada vez mais dominando os conjuntos habitacionais com suas drogas, os frequentadores da Igreja batista da Cinco Pontas e os moradores dos conjuntos habitacionais

O diácono Paletó será de certa forma o fio condutor para esta história. Ele veio para NY com sua esposa a mais de 20 anos, mas nunca foi o mesmo desde que chegou a cidade. Paletó passou todo este tempo parcial ou completamente embriagado mas depois da morte de sua esposa, com quem ele continua tendo ótimas discussões, sua bebedeiras parecem ter piorado. O apelido Diácono King Kong ele ganha devido ao constante consumo de uma bebida caseira deita por seu amigo, Salsicha quente. Sendo um homem que aparentemente não tem sorte, tendo escapado por pouco varias vezes, seja de doenças, cirurgias e agora ele será perseguido por um traficante vingativo.  
O livro tem um ritmo relativamente lento pois as histórias e os personagens vão se entrelaçando aos poucos, moradores negros e latinos, traficantes, italianos estão todos relacionados. Mas você só conseguirá entender isso a medida em que for avançando na história.
(...) o desespero sem um tostão governava a vida de idiotas muito negros ou muito pobres para partir, enquanto em Manhanttan os ônibus  chegavam a tempo, as luzes nunca se apagavam, as morte de uma única criança branca em um acidente de trânsito era uma historia de pagina inteira, enquanto versões falsas das vidas dos negros e dos latinos dominavam os teatros da Broaday, tornando escritores brancos ricos."
O autor consegue te passar a sensação de alguém contando a historia de pessoas com quem ele se relacionou e conheceu intimamente, isso por vezes faz a historia se tornar confusa já que ele pode chamar o mesmo personagem por seu nome ou apelido.
"Quando você ama uma pessoa, as palavras dela deviam ser importantes o bastante para que você ouvisse."
Além disso temos uma acidez presente no texto que mostra um lado de NY pouco conhecido, uma comunidade negra no ano 1969 que não está vivendo o sonho americano. Pessoas marginalizadas por este sonho que estão tentando sobrevier as mudanças, ao racismo, as drogas.
"(...) todos vivendo o sonho de Nova York no Habitacional Cause, com vista da Estátua da Liberdade, uma lembrança gigantesca de cobre de que esta cidade era uma maquina de moer que cortava os sonhos do pobre mais que qualquer descaroçador de algodão (...) E agora a heroína estava lá para tornar os filhos deles escravos novamente, escravos de um inútil pó branco."

 "Um homem que não confia não é de confiança."

O desfecho da historia consegue conectar todas as tramas e deixar um gosto de esperança, mesmo tendo lido mais devagar do que normalmente leio, foi uma leitura muito incrível.

E você já leu o livro?

Já tinha ouvido falar deste livro?

Que tal entrar comigo nesta proposta de ler um autor negro por mês.

Beijos e até a próxima!!!

 


Nenhum comentário:

Postar um comentário

© Cultura Pocket - desde 2017 | Todos os direitos reservados.
Desenvolvimento por: Linezzer Design | Tecnologia do Blogger.
imagem-logo