ULTIMAS POSTAGENS

DICA DE SÉRIE: WATCHMEN

Olá Pockets!!!!

Hoje iremos indicar pra vocês uma série, na verdade uma minisérie, pois só possui 9 episódios, não só pelo fato de unir elementos da cultura pop (super heróis, vilões e desastre iminente) como também temas complexos de forma sublime, como o racismo, principalmente depois dos recentes protestos ocorridos nos EUA.
                                                             
Título: Watchmen
Criador: Damon Lindelof
Emissora: HBO
Ano: 2019
N° de episódios: 9
Gênero: Super Herói; Distopia; Ação; Drama


Watchmen é baseada na célebre história em quadrinhos criada por Alan Moore e David Gibbons, que revolucionou a indústria de quadrinhos por levar temas sérios de forma profunda e competente, redefinindo o conceito de super herói, o que ajudou a modificar a visão comum de que HQs eram apenas para o público infanto-juvenil. A narrativa parte de uma realidade distópica em que pessoas mascaradas, ou fantasiadas, são reais e interferem no desenrolar dos acontecimentos, a história é ambientada em meados de 1985 nos EUA pós guerra do vietnã, onde prevalece uma Lei em que qualquer um que se aventure agir como herói deve ter registro no governo. Watchmen ganhou inúmeros prêmios e sua influência foi tanta que ainda é estudada em faculdades de filosofia e psicologia, o herói fora da lei Rorschach, tem seu nome baseado em um teste psicológico - Teste de Rorschach- o qual utiliza borrões simétricos de tinta, os mesmos que são vistos em sua máscara. Watchmen não a toa, é vista por muitos como a melhor hq de todos os tempos, aliás, ela foi a primeira Hq a ganhar um prêmio de ficção literária no Hugo Awards.

Rorschach, inspiração da Sétima cavalaria e peça chave na narrativa original
A série produzida pela HBO é uma espécie de continuação paralela¹, 34 anos após os eventos finais dos quadrinhos. Situada em 2019 em Tulsa, Oklahoma, região em que um grupo Supremacista branco chamado de A sétima Cavalaria, inspirado pelos registros deixados no diário de Rorschach² - o grupo usa a máscara dele em homenagem - travam uma guerra violenta contra a polícia e as minorias. Conhecemos essa realidade de confronto através da personagem Angela Abar/Sister Night (Regina King), detetive policial que sobreviveu ao ataque terrorista realizado pelo grupo três anos antes (eles invadiram a residência de 40 oficiais) conhecido como "Night White" (Noite branca) e que por conta disso, os policiais não divulgam sua profissão e usam máscaras para esconder suas identidades.


Qualquer semelhança com a Klu Klux Klan não é mera coincidência
A história é dividida em três sub-tramas: a primeira é iniciada quando um oficial é hospitalizado após ser baleado por um membro da Sétima cavalaria, e após a captura do suspeito pela Sister Night, ela recebe uma ligação e descobre que seu chefe e mentor Judd Crawford (Don Johnson) foi enforcado em uma árvore, ao lado do corpo de Judd ela conhece um homem negro, de cadeira de rodas e com idade avança que afirma que foi ele o autor da morte de seu chefe, e a partir dai, Angela entra numa teia de acontecimentos ocultos que envolve tanto o seu passado recente com os ataques na Night White como sua história de origem através de seus antepassados.
Na outra sub-trama conhecemos a mesma Tulsa, mas em 1921, durante o massacre (outro motivado por questões raciais) de Black Wall Street, o qual vemos uma criança negra perdendo seus pais, O.B, um ex soldado da primeira guerra mundial, e Ruth, durante sua fuga, acaba também resgatando e escoltando um bebê órfão. A terceira subtrama nos joga em um Castelo ao estilo medieval, onde reside o velho lorde Adrian Veidt (Jeremy Irons) antigamente conhecido como Ozymandias, o antigo herói que possui a mente mais inteligente do planeta e que estava por trás do eventos relatados por Rorschach em 1985. Ele é servido por dois serventes, clones produzidos no lugar, está escrevendo uma peça teatral e comemorando um "aniversário".
Dr. Manhattan o semi deus dando o ar de sua graça
Durante os nove episódios, vamos entrando a fundo nessas três subtramas e com uma excelente condução, o grande triunfo da produção, a série mostra como todas estão conectadas. No início pode até causar uma certa confusão, principalmente se você não tiver lido a hq e não conhecer os personagens, e ai entra outro ponto forte da série, que se preocupa em introduzir e situar os personagens para os novatos (porém, caso queira conhecer o universo na hq mas não quer gastar ou roubar de alguém, pode assistir ao filme adaptado da obra, eu recomendo a versão estendida rs). Eles também mostram os desdobramentos e as origens dos principais heróis que no universo de Alan Moore serão os primeiros vigilantes mascarados. E por se tratar de uma série planejada para uma temporada apenas, eles nos entregam um final grandioso e tudo explicado, entrando para o seleto grupo de série com os melhores finais produzidos.

Sister Night pronta para caçar racistas
Sobre os conflitos raciais que são o fio condutor da série, não preciso explicar o quão necessário eles são para entender a cultura do racismo e suas nuances no que se trata dos Estados Unidos, principalmente após o assassinato de George Floyd, que provocou uma mobilização histórica a nível internacional (Inclusive a HBO disponibilizou o Watchmen de graça entre os dias 9 e 21 de junho em homenagem ao protestos e a abolição da escravidão no Texas em 1865). Os produtores conseguiram tratar do tema com toda a complexidade e cuidado que se espera, sem recorrer a clichês e romantizações, eles mostram o quanto o racismo foi e é cruel e as consequências ideológicas que permanecem sempre adormecidas no decorrer do tempo - o massacre de Black Wall Street ao Night White podem ser vistos como um evento só- e são sempre uma ferida sem cicatrização, a verdade nua e crua que os brancos não aceitam e tentam apagar essa realidade minimizando os discursos e "embranquecendo" o protagonismo negro na cultura americana, fato mostrado na série com a origem dos Minutemen.  Outra qualidade de Watchmen são seus personagens secundários, que não só tem participação direta nos eventos e contribuem para o desenrolar das tramas, como são trabalhados de forma contundente em seus próprios problemas pessoais, a exemplo do agente Wade Tillman/Looking Glass (Tim Blake Nelson), amigo e ajudante de Angela que passa por problema de vício de uma substância que usa por baixo do chapéu. Eu não posso também deixar de mencionar a qualidade da trilha sonora que traz uma sintonia em cada momento no decorrer dos episódios.
Looking Glass, o alter ego de Wade Tillman em ação.
Enfim, não vou me alongar mais (é sério, dava pra falar muita coisa ainda desse universo maravilhoso, mas ai eu já teria que soltar uns spoilers rs) Watchmen é uma série excelente e com uma qualidade única, não encontrada em todas as produções vistas por ai, sendo fã ou não de quadrinhos, ela merece a atenção pelo cuidado que teve em unir temas e mostrar eles com toda excelência necessária. Até a próxima povo!!!






NOTAS:
1: Chamo de continuação paralela, pois o criador original (Alan Moore) não se envolveu na continuação, há um conflito antigo dele com a DC, ela decidiu por conta própria fazer, já que possui os direitos sobre os personagens, ela e a HBO consideram os eventos vistos na série como um "remix".
2 (SPOILERS): Os eventos descritos no diário de Rorschach, mostram os planos que Adrian Veidt/Ozymandias teve ao usar um alienígena com poderes psíquicos -ele é parecido com uma lula gigante- para criar um ataque falso sobre Nova York, matando 3 milhões de pessoas e deixando várias com sequelas (O vício de Looking Glass e as pequenas lulas que caem do céu na série são resultado desse ataque), fazendo com que as outras nações trabalhassem juntas, evitando assim, um holocausto nuclear -tema real da guerra fria-. Seus antigos companheiros de equipe nos Watchmen ficaram enojados com suas ações motivando Rorschach a contar para o mundo a farsa, porém, ele é vaporizado pelo Dr. Manhattan (o único que possui poderes, praticamente um semi-deus), no entanto, o Azulão não sabia que Rorschach tinha escrito tudo no diário e enviado para um jornal.




Nenhum comentário:

Postar um comentário

© Cultura Pocket - desde 2017 | Todos os direitos reservados.
Desenvolvimento por: Linezzer Design | Tecnologia do Blogger.
imagem-logo