ULTIMAS POSTAGENS

RESENHA O ALIENISTA - MACHADO DE ASSIS

“Mas deveras estariam eles doidos, e foram curados por mim, ou o que pareceu cura não foi mais do que a descoberta do perfeito desequilíbrio do cérebro?”

Oi pockets!!! 

Já estava com saudade de vocês. Minha praia sempre foi literatura Americana, mas comecei a ler um pouco dos clássicos nacionais e estou amando, e quero dividir com vocês esta experiência maravilhosa.




Título: O Alienista
Autora: Machado de Assis
Editora: Martin & Claret
Ano:2008
Nº de páginas:74
Classificação: 5

SINOPSE:O alienista é um clássico literário sobre a psique. Qual é o limite entre a loucura e a sanidade? Até onde a ciência é capaz de desvendar a mente humana? Essas são as questões centrais desta obra publicada originalmente como folhetim na revista A Estação. O conto apresenta Simão Bacamarte, estudioso ilustrado, que, para aprender mais sobre a psiquiatria, convence a cidade de Itaguaí a fundar um hospício. Logo a instituição fica repleta de lunáticos locais e das vilas vizinhas. O cientista passa, então, a identificar a demência recôndita em cada cidadão de Itaguaí, encarcerando-os um a um no manicômio e levando o terror à cidade. O barbeiro Canjica arregimenta os insatisfeitos para derrubar o hospício da Casa Verde e se instauram a paranoia e a revolta no povoado, antes pacato. O alienista foi adaptado para o cinema em 1970 e para uma minissérie na TV em 1993. Em 2008, a obra chegou às histórias em quadrinhos e, em 2014, ao teatro. Um livro divertido, que traz o melhor da ironia machadiana. Esta edição tem texto integral e traz notas explicativas para os termos não usuais, para facilitar a compreensão da obra. (Skoob)

RESENHA:

O livro apresenta um médico muito evoluído para sua época que era considerado um dos maiores médicos do Brasil, Portugal e da Espanha, o Dr. Simão Bacamarte. O médico era totalmente ligado a ciências, que até na hora de escolher sua esposa usou este critério, e se casou com dona Evarista. Questionado pelo amigo pelos poucos atributos físico dela, o Dr. Simão simplesmente informou que a mesma lhe daria filhos saudáveis. Os anos passaram e os filhos não vieram, e o refúgio do médico voltou-se para os estudos da psiquiatria humana. O mesmo iniciou um projeto com o apoio do amigo Crispim de criar um manicômio, que na época foi considerado um dos mais modernos.


Com os estudos aprofundados do tema o médico começou a internar as pessoas, ele estava tão obcecado pelo trabalho que passou a ver loucura em todos e internou  mais de 75% da população, e a sociedade aceitava a palavra dele como verdade absoluta por ser considerado um homem da ciência. Podemos perceber que mesmo hoje acontecem situações parecidas, pois as pessoas não questionam, mesmo sabendo que o que está acontecendo não é verdade e é mais cômodo viver como observador. 

A população começou a questionar seu trabalho quando ele internou um jovem que havia falido, então Porfírio, o barbeiro da cidade, juntamente com alguns membros da sociedade criaram uma revolta contra o manicômio, mas o interesse do mesmo era ascensão na carreira política. Podemos notar que a sociedade em si só busca o próprio bem, sem realmente importar-se com o próximo. Mesmo diante de vários problemas o manicômio continuou aberto e, revisando seus próprios critérios, o Dr. Simão liberou todos os pacientes.


Os vereadores com medo de serem internados no manicômio criaram novas leis. Agora deveria ter um estudo profundo sobre a doença com várias provas documentadas para a pessoa ser considerada louca. Mesmo havendo novos critérios ouve novamente várias pessoas internada no manicômio. Até a própria esposa o médico internou.

Tempos depois analisado a situação retirou todos do manicômio e se internou lá, pois percebeu que na verdade o louco era ele.

A questão é científica-dizia ele-; trata-se de uma doutrina nova, cujo primeiro exemplo sou eu. Reúno em mim mesmo a teoria e a prática.


CURIOSIDADES:
Filme:

A obra de Machado de Assis foi transformada em filme em 1970. Intitulada de “Azyllo Muito Louco” foi dirigido por Nelson Pereira dos Santos. Em 1993, a rede globo de televisão cria uma minissérie baseada na obra de Machado chamada “O Alienista e as Aventuras de um Barnabé”.

O Alienista em Quadrinhos
O Alienista em quadrinhos, versão de Fábio Moon e Gabriel Bá transformada em histórias em quadrinhos (HQ), há várias versões dessa obra, das quais citamos as produções de César Lobo e Luiz Antônio Aguiar, Fábio Moon e Gabriel Bá e Francisco S. Vilachã.

Na primeira versão citada, predominam cores fortes, enquanto na versão de Fábio Moon e Gabriel Bá predomina a tonalidade sépia. Francisco S. Vilachã, por sua vez, utiliza tons pastéis.

Fonte: DIANA, Daniela. O Alienista. 2014. Disponível em: https://www.todamateria.com.br/o-alienista/. Acesso em: 16 jan. 2020.


Me conta o que vocês acharam. Já leram o Alienista? O que acham do médico? E vocês leem clássicos brasileiros?
Eu super recomendo essa leitura, é uma interessante.



Beijinhos, até a próxima...






7 comentários:

  1. Ainda não li esse livro, mas se tem uma coisa que ainda acontece é que a sociedade só busca o próprio bem

    ResponderExcluir
  2. Nunca li esse livro de Machado de Assis e fiquei curiosa. Ele casa com uma mulher esperando ter filhos perfeitos, mano do céu!!!!!!
    Como as coisas eram e ainda são!!!
    E os estudos dele o levando para coisas bem questionaveis...

    ResponderExcluir
  3. Ola tudo bem??
    Eu já li alguns livros literário, mas este ai de Machado de Assis nunca li. Me lembro de ter lido Dom Casmurro para fazer o vestibular.Quem tiver o interesse em se aprofundar na nossa língua até que vale a pena ler.

    ResponderExcluir
  4. Só suspeita para falar de Machado de Assis, todas as obras dele são verdadeiras péloras brasileira. Mas por inclivél que pareça, embora o autor e os clássicos sejam meus preferidos nunca parei para ler O Alienista. Mas esta postagem aguçou meu interesse vou colocar na minha lista de leituras para 2020.

    ResponderExcluir
  5. Machado de Assis tem livros ótimos demais.
    Já ouvi falar desse em especial, mas não cheguei a ler rs.
    https://blogdajenny2014.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  6. Oi Tatiane, tudo bem?

    Ainda não li esta obra, mas depois do sue post fiquei com a certeza de que preciso ler. É interessante perceber que mesmo sendo clássico, ele ainda toca em assuntos bem atuais dentro da nossa sociedade, como o fato da maioria só questionar algo quando começa a afetar seus próprios propósitos. Parece ser um obra que permite várias discussões interessantes. Adorei o post, parabéns!

    Beijos!

    ResponderExcluir
  7. Hey, Tatiane! Eu adoro esse livro. Primeiro, por ser Machadão. Segundo, por ser sobre Saúde Mental. E terceiro, porque usei uma quote dele em um dos meus TCCs (exatamente o de Saúde Mental).
    Eu gosto demais dessa obra e da análise nele contida. Adorei você ter trato esse livro para debate.
    Abraços

    Carol, do Coisas de Mineira

    ResponderExcluir

© Cultura Pocket - desde 2017 | Todos os direitos reservados.
Desenvolvimento por: Linezzer Design | Tecnologia do Blogger.
imagem-logo