ULTIMAS POSTAGENS

BECKY ALBERTALLI E SUAS HISTÓRIAS

Olá Pockets!!

Hoje vamos apresentar para vocês, uma autora incrível. A autora de três livros de sucesso, e que está dando o que falar entre os leitores, e são leituras que é para qualquer idade, porque foca em temáticas fortes, mas de maneira leve, que pode ser usado para debates em escolas, clube de leituras, etc.

Fonte: Skoob
A autora  Rebecca Albertalli, mas conhecida como *Becky* Albertalli, é psicóloga o que lhe proporcionou o privilégio de trabalhar com muitos adolescentes inteligentes, estranhos e irresistíveis, e por sete anos foi orientadora de um grupo de apoio em Washington para crianças com não conformidade de gênero. Mora em Atlanta com o marido e os dois filhos. Simon vs. a agenda Homo Sapiens foi seu primeiro livro e que ganhou adaptação para o cinema, com o título Com Amor, Simon.

Becky  nasceu e foi criada em Atlanta, tem uma irmã chamada Caroline, e o fato de ser criada em cada de judeus, ela aborda sempre a religião nos seus livros. Ela é formada em psicologia pela universidade de Connecticut, tem doutorado em Psicologia clínica. Ela trabalhou como psicóloga até 2012 - quando seu primeiro filho nasceu - e posteriormente decidiu tentar escrever um romance.  Becky mora em Atlanta, com seu marido Brian e seus dois filhos Owen e Henry.


Becky diz que a autora australiana Jaclyn Moriarty  foi sua principal inspiração para se tornar uma romancista. Becky obteve vários prêmios com seu primeiro livro como: American Library Association 's William C. Prêmio Morris em 2015 de melhor romance de estréia escrito para adolescentes; o prêmio alemão de Literatura juvenil em 2017, entre outros.

A autora tem mais dois livros, já lançados no Brasil e mais um em parceria com seu amigo e parceiro de escrita Adam Silveira. O títulos da autora são Os 27 crushes de Molly e Leah fora de sintonia. E seu trabalho com Adam é (What if it's us) que ainda não tem previsão de ser trazido para o Brasil.



E como participamos de leitura coletiva, surgiu a oportunidade de conhecer a autora, pois a leitura coletiva do mês é os 27 crushes de Molly, e como a primeira meta fluiu tão rápido, deu uma vontade de conhecer os outros livro da autora. Então em um dia li Simon vs a agenda, e pude ver como a escritora tem uma escrita leve, fluida, divertida e toca  temas polêmicos de maneira excepcional, gerando discussões sobre a temática de maneira a nos levar a refletir sobre os eles.

Conheça a sinopse dos três livros da autora e a minha opinião sobre os livros abaixo:

Fonte: Skoob

SINOPSE: 
Simon tem dezesseis anos e é gay, mas ninguém sabe. Sair ou não do armário é um drama que ele prefere deixar para depois. Tudo muda quando Martin, o bobão da escola, descobre uma troca de e-mails entre Simon e um garoto misterioso que se identifica como Blue e que a cada dia faz o coração de Simon bater mais forte. Martin começa a chantageá-lo, e, se Simon não ceder, seu segredo cairá na boca de todos. Pior: sua relação com Blue poderá chegar ao fim, antes mesmo de começar. Agora, o adolescente avesso a mudanças precisará encontrar uma forma de sair de sua zona de conforto e dar uma chance à felicidade ao lado do menino mais confuso e encantador que ele já conheceu. Uma história que trata com naturalidade e bom humor de questões delicadas, explorando a difícil tarefa que é amadurecer e as mudanças e os dilemas pelos quais todos nós, adolescentes ou não, precisamos enfrentar para nos encontrarmos. (Skoob)

OPINIÃO: O livro do Simon é bem fofinho, trás a história do Simon, e o fato de ser gay, nem é o ponto mais importante da história. É a construção de pensamento do Simon, de porque ele se gay, ele tem que sair por ai contando para todos e sair do "armário", porque os héteros também não podem sair por ai divulgando sua opção.
Além disso, mesmo que muitos pessoas aceitem, sempre terá aquelas que iram arranjar maneiras de tentar magoar e diminuir o outro pela sua opção sexual. Mas algo que é interessante é a maneira de como a família e os amigos de Simon agem com a descoberta, assim como o próprio Simon em suas atitudes. Eu gostei bastante da leitura, pois é uma leitura rápida, fluida e divertida, além de grandes referências sobre super-heróis, literatura, etc.

Fonte: Skoob
SINOPSE: Molly já viveu muitas paixões, mas só dentro de sua cabeça. E foi assim que, aos dezessete anos, a menina acumulou vinte e seis crushes. Embora sua irmã gêmea, Cassie, viva dizendo que ela precisa ser mais corajosa, Molly não consegue suportar a possibilidade de levar um fora. Então age com muito cuidado. Como ela diz, garotas gordas sempre têm que ser cautelosas.Tudo muda quando Cassie começa a namorar Mina, e Molly pela primeira vez tem que lidar com uma solidão implacável e sentimentos muito conflitantes. Por sorte, um dos melhores amigos de Mina é um garoto hipster, fofo e lindo, o vigésimo sétimo crush perfeito e talvez até um futuro namorado. Se Molly finalmente se arriscar e se envolver com ele, pode dar seu primeiro beijo e ainda se reaproximar da irmã. Só tem um problema, que atende pelo nome de Reid Wertheim, o garoto com quem Molly trabalha. Ele é meio esquisito. Ele gosta de Tolkien. Ele vai a feiras medievais. Ele usa tênis brancos ridículos. Molly jamais, em hipótese alguma, se apaixonaria por ele. Certo? Em Os 27 Crushes de Molly, a perspicácia, a delicadeza e o senso de humor de Becky Albertalli nos conquistam mais uma vez, em uma história sobre amizade, amadurecimento e, claro, aquele friozinho na barriga que só um crush pode provocar. (Skoob)

OPINIÃO: Primeiro pedir desculpas ao pessoal da leitura coletiva (rsrs) não aguentei e finalizei a leitura antes do prazo. Mas confesso, que não deu, pois a leitura é tão gostozinha que não dar vontade de parar, Molly é a personagem central e ela trás tantos questionamentos, que sentimos junto com ela. Molly tem as inseguranças de muitas adolescentes aos 17 anos, ainda mais quando se é gorda, tem uma irmã gêmea magra e linda, serem bebês de proveta, filhas de duas mulheres e ter um irmão negro e ser judia. 
Percebemos que a autora aborda vários temas polêmicos, mas ela trata de maneira tão leve, que não fica uma história carregada, mas sim uma história maravilhosa, com temas reflexivos e que são ótimas para debater em grupo. Molly é a representação de várias meninas pelo mundo, assim como Reid, que é um fofo, amorzinho, um nerd e apaixonante, é um sonho de menino.

Fonte: Skoob
SINOPSE: Sequência do sucesso Com Amor, Simon. Leah odeia demonstrações públicas de afeto. Odeia clichês adolescentes. Odeia quem odeia Harry Potter. Odeia o novo namorado da mãe. Odeia pessoas fofas e felizes. Ela odeia muitas coisas e não tem o menor problema em expor suas opiniões. Mas, ultimamente, ela tem se sentido estranha, como se algo em sua vida estivesse fora de sintonia. No último ano do colégio, em poucas semanas vai ter que se despedir dos amigos, da mãe, da banda em que toca bateria, de tudo que conhece. E, para completar, seus amigos não fazem ideia de que ela pode estar apaixonada por alguém que até então odiava, uma garota que não sai de sua cabeça. Nesta sequência do sucesso Com Amor, Simon, vamos mergulhar na vida e nas dúvidas da melhor amiga de Simon Spier. Em um livro só dela, mas com participações mais do que especiais dos personagens do primeiro livro, vamos acompanhar Leah em sua luta para se encontrar e saber com quem dividir suas verdades e seus sentimentos mais profundos.Em Leah fora de sintonia, Becky Albertalli mostra por que é uma das vozes mais importantes e necessárias de sua geração. Sem nunca soar didática, a escritora lança mão dos mesmos ingredientes que tornaram Com Amor, Simon um sucesso mundial: a leveza, o senso de humor, a representatividade e a certeza de que vale a pena contar histórias sobre jovens que podem até estar perdidos, mas estão determinados a encontrar seu caminho.(Skoob)

OPINIÃO: A leitura flui bem, embora a personagem acabe te deixando angustiada, e muitas vezes dar vontade de bater nela, Leah é uma bissexual, que não se assumiu para os amigos, e fica irritada quando os outros não percebe que ela gosta de Abby, e nisso ela acaba tratando mal Abby, pois não sabe lidar com seus sentimentos, assim como com Garreth que é apaixonado por ela. Leah tem uma vida diferente dos amigos, pois tem uma mãe jovem, mas tem o pai ausente, pois ele abandonou a família, por uma mulher mais jovem e não trata bem o novo namorado da mãe Wells. Leah acaba não aceitando bem a questão de ser a única entre os amigos com os pais separados e de ser pobre, sendo que em nenhum momento os amigos liguem para isso. Leah é talentosa tanto para desenhar, com para tocar bateria, e a história envolve muito sua própria aceitação do corpo e da estrutura familiar.

O livro da Leah tem uma playlist incrível criada pela intrínseca, são todas as músicas mencionadas na história, e digo que está muito boa. <3. 


Bom Pockets, espero que tenham gostado. As três história são ótimas, embora confesse que minha queda é pelo livro da Molly, pois é o mais amorzinho de todos.


Beijinhos!!


Nenhum comentário:

Postar um comentário

© Cultura Pocket - desde 2017 | Todos os direitos reservados.
Desenvolvimento por: Linezzer Design | Tecnologia do Blogger.
imagem-logo