ULTIMAS POSTAGENS

A arte e os games: Shadow of the Colossus e The Last of Guardian


Olá Pockets tudo bom??


      Falarei hoje sobre dois excelentes jogos para passar essa quarentena, mas também irei aproveitar e comentar um pouco sobre a arte dentro dessa indústria a partir destes dois games: Shadow of  the Colossus e The Last of Guardian. De forma bem didática podemos entender a arte como uma atividade humana com manifestações de ordem estética -o que é belo, bonito, agradável, etc-, a partir de percepçõesemoções ideias, com o objetivo de estimular um interesse de consciência em um ou mais espectadores, e cada obra de arte possui um significado único e diferente. Ou seja, uma atividade humana é considerada arte quando ela estimula tudo isso em quem observa ou experimenta uma obra e os games estão classificados como sendo a 10º arte¹, afirmação esta que causa certa dúvida em muita gente que tem pouco conhecimento sobre o que é arte ou que ainda pensa que videogame é apenas diversão e passatempo. Até certo ponto é, como qualquer atividade que fazemos: ler livros, assistir filmes ou escutar música, todas elas se tornam obra de arte quando conseguem nos levar a experiencias únicas que podem nos marcar e mudar diante de nossa realidade. Vamos entrar nessa questão com estes dois games que separei pra vocês!!



SHADOW OTHE COLOSSUS
             
A imagem indica o aprendizado 
que iremos ter:
Um desafio além dos limites.
 
Lançado originalmente para o Playstation 2 em 2005, o jogo recebeu uma remasterização para o Playstation 3 em 2011 e recentemente um Remake em 2018, Shadow of the Colossus é um jogo de ação e aventura em que você assume o papel de um jovem chamado Wander, que entra em uma terra proibida para trazer a vida de uma garota que ele leva consigo chamada Mono. Para conseguir o que deseja, ele deve enfrentar 16 criaturas gigantescas conhecidas como Colossi ou Colossus. Diferente dos jogos do gênero, Shadow of the Colossus não possui nenhum outro personagem, cidade ou interação além de sua égua Agro, que ajuda Wander a percorrer o vasto reino desconhecido como também derrotar as criaturas. Para encontrar os Colossus, Wander utiliza uma espada mágica antiga que ao ser direcionada ao sol, revela a direção onde cada Colossi se encontra, e é justamente essa proposta inovadora que faz o jogo sair do convencional, pois o game não entrega nada do enredo além da motivação de ressuscitar Mono e destruir os Colossus, essa informação é dada logo no início por uma entidade chamada Dormin que, aparentemente, quer ajudar Wander. 
 O jogador vai descobrindo o que se passa dentro desse mundo novo assim que sai explorando o ambiente com montanhas, penhascos, desfiladeiros e desertos, derrotando as criaturas, o ambiente solitário aliado a trilha sonora provoca o jogador a ter uma imersão dentro do jogo de forma única, pois o mundo do game é rico em detalhes e vivacidade bem como Agro que sempre está ao seu lado, e caso você se perca, basta chamar apertar um botão que ela surge em sua direção. 
Cada Colossi possui características ora humanoídes, ora similar a alguns animais, suas aparências são uma mistura de pedra e selva, que dá a sensação de serem extintos e ancestrais, após encontrá-los, devemos descobrir o ponto fraco que é sinalizado por um símbolo brilhante, e para isso, devemos escalar, atrair ou montar armadilhas que facilita as batalhas, e é ai que fica um dos grandes ensinamentos que podem ser obtidos pelo título, alguns Colossus são alheios a Wander e inofensivos, e o fato de ser você que inicia o ataque, faz refletir até que ponto podemos machucar e matar outros seres por aquilo que desejamos, no fim da jornada isso fica mais latente, porém não entrarei em detalhes para não estragar a experiência, adianto que há uma reviravolta emocionante.

Um dos Colossus que encontramos no jogo:
É a criatura que está se defendendo.

THE LAST OF GUARDIAN

A jornada que dá
uma lição de amizade
Com o sucesso do título anterior, Fumito Ueda, o criador da franquia, prometeu uma continuação ainda para o Playstation 3, porém houve inúmeros problemas durante o desenvolvimento do jogo que fez seu lançamento atrasar quase 6 anos!!! ele foi lançado como exclusivo para o Playstation 4 em 2016. Apesar de ser conhecido como uma continuação espiritual de Shadow of the Colossus, o game só compartilha a jogabilidade e elementos estéticos, principalmente nos ambientes e no Monstro ancestral chamado Trico que lembra bastante um dos Colossus do jogo anterior, no entanto, a narrativa é outra e consequentemente a experiência também. 
Somos apresentados no início do jogo na narrativa de um garoto que por razões misteriosas, é sequestrado por criaturas aladas e levado a um castelo conhecido como "O ninho", após recobrar a consciência ele vê Trico acorrentado e ferido por lanças, e mesmo com a hostilidade da fera, o garoto remove as lanças e o alimenta, criando uma amizade por ela, e é com esse laço de amizade que devemos explorar o cenário do jogo para encontrar a saída de volta para casa.

O garoto e Trico, não tem como não se apegar a essa coisa linda!!!

Enquanto que em Shadow of the Colossus é o mundo que parece vivo e nos dar aquela sensação de descoberta e exploração, em The Last Guardian é Trico a grande experência de arte, pois conseguiram desenvolver Trico com tantos detalhes, desde suas penas até seu comportamento,  que passa a sensação que ele é um animal real e foi apenas esquecido por nós, para avançar no game, devemos primeiramente conhecer seu comportamento, e  domesticá-lo para ele nos ajudar em muitos quebra cabeças que iremos encontrar pela frente, e não esquecer de dar comida pois ele não vai te obedecer com a barriga vazia rs, e como não podia deixar de ser, o final do jogo é brilhante, ele nos entrega um plot twist, onde descobrimos o motivo do sequestro do garoto e a origem de Trico, se você se emociona com filmes de animais, as lágrimas serão inevitáveis -eu não chorei, foram ninjas cortadores de cebola que estavam ao meu lado rsrs-. A proposta do jogo é única, e nos faz pensar sobre determinadas ações se encaixando como uma bela obra de arte, instigante, provocativa e reflexiva.


Wander e sua angústia para reviver Mono
Curiosidade : Shadow of the Colossus não é o primeiro jogo de Fumito Ueda, o primeiro jogo criado por ele é "Ico'' e dá nome ao time de desenvolvimento por trás dos jogos, o Team Ico, neste jogo, temos a jogabilidade primária de SotC em que um garoto com chifres deve ajudar uma jovem cega a sair de um calabouço. Nos fóruns dedicados, existe uma teoria que afirma que os 3 jogos estão relacionados, apesar de possuírem enredos diferentes, ambos se passam no mesmo mundo, alguns jogadores encontraram construções idênticas que aparecem nos 3 jogos que indicam que se passa um período de tempo ou era entre eles. 
O ator Adam Sandler que teve sua atuação elogiada no seu último filme: Jóias Brutas, protagonizou um outro filme de drama: Reine sobre mim, no qual faz o papel de um homem traumatizado pela perda de sua esposa e família no atentado de 11 de Setembro, ele vive enclausurado em casa e passa a maior parte do dia jogando Shadow of the Colossus, o jogo faz a ligação com o desejo dele de reaver a esposa por coincidir com o enredo em que Wander tenta desesperadamente trazer Mono de volta a vida.


Então é isso, quem tiver oportunidade de jogar essas duas obras de arte, não perca tempo, os dois  jogos trazem enredos e experiências únicas dentro da indústria, são essenciais para entender que muitos jogos conseguem ir além de apertar botões e passar de fase. Até a próxima!!!!

                             

REFERENCIA:
¹PROENÇA, Graça. História da Arte. São Paulo: Ática, 2006


22 comentários:

  1. Querida, que legal, vou falar para meu neto que ama jogar, obrigada pelas dicas, beijinhosssssss

    ResponderExcluir
  2. oi!
    Que legal :D eu não jogo muito, mas meu sobrinho adora este jogos..

    ResponderExcluir
  3. Oi
    Adorei a indicação do jogo. Eu não jogo, mas tenho 4 sobrinhos q amam e vou indicar p eles... Bjs e sucesso...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Karina!!! Pode indicar!!! Como essa versão do PS4 tá legendada..eles vão curtir muito

      Excluir
  4. Olá, Maiko! Eu não tenho vídeogame, mas gosto de jogos em geral, achei bem interessante o Shadow of the Colossus, acredito que se jogasse, certamente iria gostar! :)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Vitória!!! Obrigado pela visita e comentário...espero que tenhas a oportunidade de jogar...vale muito a pena!!!

      Excluir
  5. Sou daquelas que entra de corpo e almo no jogo. Gosto mais os online pela interação, e de vez em quando paro para olhar a paisagem e a beleza da arte do ambiente!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Então vai amar esse...ele faz você entrar de alma no objetivo de Wander (o olhar triste dele quando você aproxima a câmera é evidente)...e beleza de ambiente é o que mais esses games possuem

      Excluir
  6. Já ouvi meus primos e amigos apaixonados por games falando desse jogo! Já foi a minha fase, muito tempo atrás kkk mas parece ser bacana!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eles refizeram o jogo pra essa geração...acho que é a sua fase...vamos jogar? Rs..obrigado pela visita!!!!

      Excluir
  7. Parece alaer bem legal né? Não sou muitoooo ligada em jogos mas gosto de alguns. Esse parece ser bem legal. Beijão!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É emocionante..a primeira vez que o joguei no PS2 me fez mudar bastante minha visão sobre jogos

      Excluir
  8. Não sou fã de jogos de play, sou velha, entào os jogos que me agradam são do supernintendo... mas fico vendo meu namorado jogar essas histórias são bem legais mesmo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Legal Janaína!!! Mais pra frente irei falar sobre alguns do saudoso Snes...fica ligada..

      Excluir
  9. Olá,

    Não conhecia nenhum dos dois jogos, mas parecem ser ótimas opções para distrações durante essa quarentena. Apesar de gostar de jogar, tenho feito muito pouco isso nos últimos dias, mas preciso voltar em breve. Adorei as dicas e o post!

    Beijos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito obrigado pelo elogio Alice!! Quando voltar jogue um deles... não vai se arrepender, são jogos acima da média. Abraços!!!

      Excluir
  10. Que delícia de postagem! Faz um bom tempinho que não jogo play devido à correria do trabalho, acabei até me desfazendo do meu velhinho que tinha. Ano passado fiquei bem empolgado a comprar um novo e voltar aos velhos tempos. Com dois jogos incríveis como esses, essa vontade só aumentou. Valeu pelas dicas.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito obrigado pelo feedback Evandro...tomara que consiga voltar...um grande abraço

      Excluir
  11. Olá, Maiko.

    Não conhecia nenhum dos dois jogos, mas parecem ser ótimas opções para distrações durante essa quarentena.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Camyli obrigado pela visita...além de distração dá pra tirar ótimas reflexoes.abracos

      Excluir

© Cultura Pocket - desde 2017 | Todos os direitos reservados.
Desenvolvimento por: Linezzer Design | Tecnologia do Blogger.
imagem-logo